Nota Coppe/UFRJ

A Coppe/UFRJ lamenta que sua aluna de doutorado, Isabela da Rocha Silva, ferida em acidente ocorrido, quarta-feira, 15 de agosto, na sala de polimento de amostras do Laboratório Multiusuário de Metalografia, esteja sendo alvo de declarações precipitadas e infundadas veiculadas na mídia. É importante esclarecer que os técnicos Oswaldo Pires e Nelson Aguiar, que atuavam no laboratório na hora do acidente, trabalham há mais de 30 anos no local e são profissionais muito experientes, sem qualquer ocorrência similar anterior. A odontóloga Isabela, 28 anos, jamais manipulou a substância, apenas a transportaria. Ela executara o mesmo tipo de operação muitas vezes, pois fazia parte dos trabalhos experimentais de sua tese de doutorado.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

O alvorecer da energia do hidrogênio

Em plena época de enfrentamento sindical e patronal com o governo brasileiro por parte de rodoviários que transportam combustíveis, com força para paralisar atividades de toda uma sociedade, o mundo experimenta uma importante transição energética. Vivemos hoje o alvorecer da energia do hidrogênio, tema que será discutido na Conferência Mundial de Energia do Hidrogênio, a WHEC2018, que ocorrerá pela primeira vez no Brasil, no Rio de Janeiro, de 17 a 22 de junho. Esses dois fatos oferecem oportunidade para que sejam explorados as limitações e prejuízos do uso indiscriminado de combustíveis fósseis e os benefícios de o país adentrar na transição energética que marcará o século 21.

Paulo Emílio de Miranda

Professor do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Coppe/UFRJ e presidente da Associação Brasileira do Hidrogênio (ABH2)

Meio ambiente como vetor para o desenvolvimento

Mudança climática e biodiversidade deveriam ser vetores para a economia do século XXI. Da mesma forma, a economia do conhecimento é essencial para o progresso futuro. O Brasil, por ter pouca tradição na área de ciência e tecnologia, está distante de ser uma sociedade do conhecimento. Ao negligenciar este importante capital, aumenta a dificuldade de superar o nosso pífio desenvolvimento econômico e social. A visão de curto prazo com que se caracterizam as decisões dos sucessivos governos brasileiros faz com que o Brasil não evolua, pois o conhecimento científico é um processo contínuo e cumulativo, que para ser eficiente e eficaz deve ser incorporado na agenda do planejamento de longo prazo do País.

Suzana Kahn Ribeiro

Professora da Coppe/UFRJ e presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

Coppe/UFRJ adia seminário “Rio de Janeiro: polo de inovação e tecnologias limpas”

Tendo em vista a suspensão das aulas e de grande parte das atividades acadêmicas nas universidades públicas, em função da greve dos caminhoneiros, foi adiado o seminário “Como tornar o Rio de Janeiro um polo de inovação e de tecnologias limpas?” que seria realizado dia 5 de junho. Em breve, a Coppe/UFRJ divulgará uma nova data para a realização do evento.

Assessoria de Comunicação da Coppe/UFRJ

O Brasil contra o Brasil

Os profundos cortes orçamentários que o governo fez nos últimos anos no setor de Ciência, Tecnologia e Inovação, mais de 40% em 2017, ameaçam danos colaterais, pois poderão desorganizar o sistema nacional de pesquisa e inovação brasileiro. A escassez de recursos nas agências de fomento e nas universidades, que respondem por 90% da pesquisa brasileira, ao lado da escalada da burocracia, tem provocado o açodamento de decisões e iniciativas mal avaliadas, como o da criação de um fundo de investimento novo com recursos velhos

Fernando Peregrino

Diretor de Orçamento e Controle da Coppe/UFRJ

Nota da Coppe/UFRJ sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

A comunidade da Coppe/UFRJ manifesta sua indignação e pesar pela morte de Marielle Franco, brutalmente assassinada na noite desta quarta-feira, no Centro do Rio, e presta sua solidariedade à sua família, amigos e colegas. Marielle foi vítima de um ato de covardia, com a intenção de calar essa mulher guerreira, reconhecida por suas lutas contra as injustiças sociais, a desigualdade, o racismo. Conclamamos aos órgãos competentes uma investigação rigorosa do assassinato da vereadora e punição para os responsáveis. Sua luta haverá de perdurar em todos nós. Neste momento, Somos todos (as) Marielle!

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Pages