/Opinião

Nota Coppe/UFRJ - Museu Nacional

A Coppe/UFRJ solidariza-se com alunos, professores, pesquisadores, e funcionários do Museu Nacional da UFRJ, e lamenta profundamente a perda desse precioso e imensurável acervo, patrimônio histórico, científico, educacional e cultural da sociedade brasileira e da humanidade.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Darwinismo Tecnológico

Várias revoluções foram moldando o mundo no decorrer dos séculos. Somente aqueles que melhor sobreviveram a elas, tal como em um jogo, conseguiram passar para a fase seguinte. O livro Sapiens, de Yuval Noah Harari, apresenta três revoluções que definiram o rumo da história: a Cognitiva, há 70 mil anos, a Agrícola, há 12 mil anos, e a Científica, iniciada há 500 anos, que de acordo com o autor pode colocar um fim à História e dar início a algo bem diferente.

Suzana Kahn

Professora da Coppe/UFRJ e Coordenadora do Fundo Verde da UFRJ

Nota Coppe/UFRJ

A Coppe/UFRJ informa que em decorrência de um acidente ocorrido, hoje, quarta-feira, dia 15 de agosto, pela manhã, na sala de polimento de amostras do Laboratório Multiusuário do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, três pessoas sofreram ferimentos e foram prontamente atendidas pela Brigada de Incêndio e Emergência da Coppe, e imediatamente levadas pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. De acordo com o diretor do hospital, Leôncio Feitosa, o técnico Nelson Aguiar foi medicado e em seguida liberado. A aluna de doutorado Isabela da Rocha Silva e o técnico Oswaldo Pires se encontram em estado estável, sem riscos graves e fazendo exames complementares. As causas do acidente estão sendo devidamente investigadas pela instituição.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Nota Coppe/UFRJ

A Coppe/UFRJ lamenta que sua aluna de doutorado, Isabela da Rocha Silva, ferida em acidente ocorrido, quarta-feira, 15 de agosto, na sala de polimento de amostras do Laboratório Multiusuário de Metalografia, esteja sendo alvo de declarações precipitadas e infundadas veiculadas na mídia. É importante esclarecer que os técnicos Oswaldo Pires e Nelson Aguiar, que atuavam no laboratório na hora do acidente, trabalham há mais de 30 anos no local e são profissionais muito experientes, sem qualquer ocorrência similar anterior. A odontóloga Isabela, 28 anos, jamais manipulou a substância, apenas a transportaria. Ela executara o mesmo tipo de operação muitas vezes, pois fazia parte dos trabalhos experimentais de sua tese de doutorado.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

O alvorecer da energia do hidrogênio

Em plena época de enfrentamento sindical e patronal com o governo brasileiro por parte de rodoviários que transportam combustíveis, com força para paralisar atividades de toda uma sociedade, o mundo experimenta uma importante transição energética. Vivemos hoje o alvorecer da energia do hidrogênio, tema que será discutido na Conferência Mundial de Energia do Hidrogênio, a WHEC2018, que ocorrerá pela primeira vez no Brasil, no Rio de Janeiro, de 17 a 22 de junho. Esses dois fatos oferecem oportunidade para que sejam explorados as limitações e prejuízos do uso indiscriminado de combustíveis fósseis e os benefícios de o país adentrar na transição energética que marcará o século 21.

Paulo Emílio de Miranda

Professor do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Coppe/UFRJ e presidente da Associação Brasileira do Hidrogênio (ABH2)

Meio ambiente como vetor para o desenvolvimento

Mudança climática e biodiversidade deveriam ser vetores para a economia do século XXI. Da mesma forma, a economia do conhecimento é essencial para o progresso futuro. O Brasil, por ter pouca tradição na área de ciência e tecnologia, está distante de ser uma sociedade do conhecimento. Ao negligenciar este importante capital, aumenta a dificuldade de superar o nosso pífio desenvolvimento econômico e social. A visão de curto prazo com que se caracterizam as decisões dos sucessivos governos brasileiros faz com que o Brasil não evolua, pois o conhecimento científico é um processo contínuo e cumulativo, que para ser eficiente e eficaz deve ser incorporado na agenda do planejamento de longo prazo do País.

Suzana Kahn Ribeiro

Professora da Coppe/UFRJ e presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

Páginas