/Opinião

Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ se manifesta contra cortes na Capes

O Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ repudia o anúncio feito pelo Ministério da Educação em que propõe corte de metade do orçamento Capes para o ano de 2020. Essa ação do Ministério da Educação, combinada com o cancelamento de aproximadamente 12.000 bolsas de estudos, já realizado durante o ano de 2019, terá forte impacto na formação de recursos humanos altamente qualificados e com prejuízo irreparável para o desenvolvimento e a soberania do país.

Roberto Bartholo

Presidente do Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ

Corte de bolsas agrava desmonte da Ciência e Tecnologia

A Coppe/UFRJ repudia a asfixia orçamentária imposta pelo governo federal à Ciência e Tecnologia. Nesta quinta-feira, 15 de agosto, o CNPq anunciou a suspensão da concessão de 4,5 mil bolsas. Como agravante, sequer as bolsas vigentes têm seu pagamento garantido até o final do ano. Em apenas três meses nossa instituição perdeu 36 bolsas de mestrado e doutorado: 13 da Capes, no mês de maio, e 23 do CNPq, afetando sete dos nossos 13 programas. Na disputa pelos escassos recursos do cada vez mais contingenciado orçamento da União, setores como a Educação, a Ciência e a Tecnologia, que deveriam ser prioritários a uma nação que pretende – e precisa – se desenvolver em bases mais justas e autônomas, vêm sendo reiteradamente negligenciados. Essas iniciativas podem levar ao desmonte do aparato de Ciência e Tecnologia, a duras penas erguido pela sociedade brasileira.

Diretoria da Coppe/UFRJ

Coppe manifesta seu apoio ao Inpe

A Coppe/UFRJ manifesta sua solidariedade ao professor Ricardo Galvão e aos demais profissionais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), cujo trabalho de excelência científica tornou a instituição referência internacional. Corroboramos o entendimento das entidades representativas da Ciência e Tecnologia, manifestado em notas públicas, que refutam as declarações do presidente Jair Bolsonaro, o qual acusou o Instituto de divulgar “números mentirosos” sobre o desmatamento na Amazônia e seu diretor de servir a interesses diversos da Ciência.

Romildo Toledo

Diretor da Coppe/UFRJ

A Ciência brasileira em estado de alerta

Nós, ex-ministros de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), vimos a público manifestar a nossa profunda preocupação diante das ameaças no tocante à Educação, em geral, e à CT&I em particular. Agravam-se os cortes orçamentários drásticos que poderão levar a um retrocesso sem paralelo na história da Ciência brasileira, área essencial e crítica, tanto ao desenvolvimento econômico e social quanto à soberania nacional.

Ex-ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação

Universidade pública

A campanha contra a universidade pública brasileira, responsável por 95% da produção científica do país, é totalmente equivocada. Assim como outras sociedades não souberam preservar suas conquistas e seguir inovando, tenho receio que os sucessivos cortes nos orçamentos da Educação e da Ciência e Tecnologia no país nos levem a um colapso, e que depois seja tarde demais para que algo possa ser feito para revertê-lo. O escritor Jared Diamond relata com primor em seu livro “Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso” casos que podem ser tomados como exemplo ou advertência.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Alunos da Coppe perdem 73 bolsas de mestrado e doutorado em função de medida do MEC

Com a suspensão de bolsas de estudo pelo Ministério da Educação (MEC), os alunos da Coppe/UFRJ, maior centro de ensino e pesquisa de Engenharia do país, perderão um total de 73 bolsas: 46 de mestrado e 27 de doutorado. A medida, que representará um corte de 12,10% no total de 603 bolsas oferecidas pela instituição, também prejudicará os alunos que já iniciaram seus cursos e estão na fila de espera das bolsas que seriam disponibilizadas pelos atuais pós-graduandos que estão concluindo suas dissertações de mestrado e teses de doutorado.

Diretoria da Coppe/UFRJ

Páginas