/Opinião

Nota do Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ em virtude do falecimento do reitor da UFSC, professor Luiz Carlos Cancellier

O Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ manifesta-se solidário com os familiares e com a comunidade universitária da Universidade Federal de Santa Catarina pelo sofrimento e consternação advindos da morte auto-infligida do Reitor Professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo; manifesta-se também em alarmada advertência aos eventos de denúncia, acusação e responsabilização de dirigentes de órgãos públicos por pretensa conexão a atos lesivos à lei, sem a prudente cautela e o respaldo de evidência insofismavelmente formadora da necessária convicção.

Prof. Carlos Magluta - Presidente do Conselho Deliberativo da Coppe/UFRJ

Nota de pesar

A Coppe/UFRJ lamenta o falecimento do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que cometeu suicídio na manhã desta segunda-feira. O reitor, desde o dia 14 de setembro, conforme noticiado pela imprensa, estava amargurado por ter sua imagem associada a práticas ilegais que não condizem com sua trajetória de acadêmico e gestor público, infelizmente veiculada, sem observância dos direitos fundamentais de presunção de inocência e do devido processo legal. Nos últimos dias almejava que a Justiça lhe desse o direito de continuar a orientar seus alunos. A Coppe transmite a seus familiares e amigos, assim como a todos da comunidade da irmã UFSC, o seu profundo pesar.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Uma Eletrobrás Eficiente É Possível

Sou contrário à privatização anunciada da Eletrobrás. O valor estimado de mercado da empresa, a bagatela de 20 a 30 bilhões de reais, é muito inferior aos investimentos já feitos e irrisório perante o rombo anual do governo, da ordem de159 bilhões de reais.

Luiz Pinguelli Rosa

Diretor de Relações Institucionais da Coppe/UFRJ

Autofinanciamento dos cursos Lato Sensu: a posição da Coppe/UFRJ

Os cursos Lato Sensu não fazem parte do elenco de cursos ofertados pelos “estabelecimentos oficiais” e não há previsão de recursos públicos destinados à sua oferta. O resultado imediato da proibição de cobranças dos cursos Lato Sensu será sua eliminação nessas instituições, tendo em vista que ofertá-los gratuitamente só seria possível com o uso de recursos, já não são suficientes, destinados, por exemplo, aos cursos obrigatórios de graduação.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Coppe critica não aprovação da PEC 395

A Coppe/UFRJ lamenta que a Câmara dos Deputados, no último dia 29 de março, não tenha aprovado, em segundo turno, a PEC 395. A princípio, a Constituição Federal já garante a gratuidade para os cursos de graduação e stricto sensu ( mestrado e doutorado) no ensino público em estabelecimentos oficiais. No entanto, os 304 votos a favor não foram suficientes para garantir a segurança jurídica para a cobrança, realizada há anos, de cursos lato sensu (especialização) e extensão, não obrigatórios nas instituições públicas de ensino superior, ofertados, em geral, sob demanda e em caráter eventual.

Edson Watanabe

Diretor da Coppe/UFRJ

Nota Coppe/UFRJ

A Coppe/UFRJ, por meio de sua diretoria, manifesta seu apoio ao professor da Coppe, Renato Cotta, cuja gestão como presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (de 17/11/2015 a 17/3/2017) foi marcada pela competência técnica e integridade. Na oportunidade, manifestamos estranheza pelo abrupto afastamento do referido professor, em meio a um processo no qual o governo revela descaso em priorizar quadros técnicos qualificados na área da Ciência e Tecnologia, em total discordância com o espírito da nova Lei das Estatais.

Diretoria da Coppe/UFRJ

Páginas