/Perfil

  • Emilio La Rovere: pioneirismo na área ambiental

    Carioca, nascido em Botafogo, Emilio Lèbre La Rovere, 62 anos, herdou do pai, Ruggiero, a vocação para a engenharia e das leituras a predileção pela economia. Mas foi a partir do seu primeiro estágio, na Finep, que optou pela pesquisa, dando início a uma carreira bem-sucedida. Na parede do seu gabinete, um fac-símile atesta sua contribuição na conquista do prêmio Nobel da Paz de 2007.

  • Aquilino Senra: da base à primeira divisão

    A curiosidade demonstrada desde criança para compreender os mistérios do eletromagnetismo, da mecânica newtoniana, das reações nucleares e da gênese do universo levou Aquilino Senra Martinez, 63 anos, a optar pelas ciências exatas. Quando finalmente decidiu-se pela Física, já pensava em desenvolver um trabalho eminentemente teórico, como o faz até hoje.

  • Glaydston Ribeiro: vocação para a integração dos saberes

    O capixaba Glaydston Mattos Ribeiro, 40 anos, optou por uma formação multidisciplinar ainda na graduação. Cursou Engenharia Civil, com ênfase em transportes, e se interessava pela Ciência da Computação. Com habilidade para integrar saberes, contribuiu para a implantação do Programa de Pós-graduação em Energia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

  • Antonio Infantosi: um dos fundadores da Engenharia Biomédica da Coppe

    Nascido em 1947, Antonio Fernando Catelli Infantosi era professor titular do Programa de Engenharia Biomédica (PEB) da Coppe/UFRJ desde 1994. Ingressou na instituição, em 1973, como professor do Programa de Engenharia Biomédica (PEB), no qual foi coordenador de 1977 a 1981 e de 1987 a 1989. Foi o primeiro Diretor Superintendente da Fundação Coppetec, em 1993.

  • Alberto Luiz Galvão Coimbra: O idealismo em ação

    É inegável que Alberto Luiz Galvão Coimbra viu muito, muito longe, ao fundar a Coppe, em 1963. Numa época em que ser professor universitário no Brasil era só uma atividade extra, ele mexeu em vespeiros ao defender energicamente um modelo de ensino baseado em horário integral, com dedicação exclusiva. Quando as escolas de Engenharia se preocupavam, basicamente, em formar profissionais para o mercado, ele queria investir em pesquisa.

Páginas